Nesta sexta-feira (14), a Justiça de Goiás decretou a prisão preventiva do médium João de Deus, que é suspeito de abusar sexualmente de centenas de mulheres, cerca de 300 já o denunciaram. Os abusos teriam acontecido durante "tratamentos espirituais" em Abadiânia (GO). Irapuan Costa Júnior, secretário de Segurança Pública de Goiás, já confirmou a prisão do médium.

Thales Jayme, um dos advogados de defesa de João de Deus, confirmou a notícia de que tem um mandado de prisão contra seu cliente, mas até no início da tarde de hoje ainda não estava com o documento em mãos.

Publicidade
Publicidade

O advogado também disse que tentou falar com o médium hoje, mas não teve êxito.

O advogado disse que foi avisado sobre o decreto de prisão e que deveria ver uma forma de seu cliente entregar-se da forma menos traumática possível, sendo que é preciso garantir a segurança de João de Deus. Para Thales, o ideal é que o médium se apresente.

Um outro advogado de defesa de João de Deus, Hélio Braga, afirma que seu cliente é inocente e contesta com veemência todas as acusações que estão sendo feitas contra ele, ainda mais pelo fato de que não há provas.

Publicidade

O pedido de prisão foi protocolado na última quarta-feira (12), pelo Ministério Público Estadual de Goiás, na promotoria de Abadiânia, só que não foi informado até o momento se este pedido é que originou a decisão de prender o médium.

Ida à Casa Dom Inácio de Loyola

Nesta última quarta-feira (12), o médium foi pela primeira vez ao local onde faz os atendimentos após surgirem as acusações contra ele de abuso sexual. João de Deus ficou na Casa Dom Inácio de Loyola por alguns minutos e foi embora, antes porém, disse que é inocente e acredita na "Justiça de Deus e dos homens".

O médium disse a todos que é irmão de Deus, porém irá cumprir a lei brasileira. Edna Gomes, assessora de imprensa do médium disse também que ele é inocente, mas que todas as denúncias devem ser apuradas.

Dezenas de mulheres estão denunciando João de Deus, acusando-o de abuso sexual. Desde segunda-feira (10), que a Polícia Civil e também o Ministério Público de Goiás estão investigando as denúncias de crimes sexuais, sendo que as primeiras foram feitas no programa Conversa Com Bial, onde 10 mulheres relataram que foram abusadas pelo acusado.

João Teixeira de Faria, conhecido por todos como João de Deus, ainda não foi preso, mas a polícia está nas ruas e a qualquer momento poderá ser anunciada a prisão do médium.

Publicidade

Os investigadores acreditam que após ele ser preso, mais mulheres deverão procurar a Justiça para formalizar suas denúncias.

Leia tudo e assista ao vídeo